DESTAQUESSAÚDEVIRAIS

SINTOMAS DO CÂNCER DE PRÓSTATA

Saiba como identificá-los

Sob o ponto de vista prático, os especialistas costumam definir a gravidade de cada caso analisando conjuntamente essas variáveis.

Quanto ao tratamento dos tumores de baixo risco devemos fazer vigilância ativa. Os pacientes com tumores mais agressivos localizados dentro da glândula são usualmente submetidos a cirurgia (prostatectomia radical), radioterapia externa ou braquiterapia.

Finalmente , quando o tumor se estende para fora da próstata envolvendo os tecidos vizinhos ou a outros órgãos, são tratados através do Bloqueio Androgênico ou radioterapia e por ultimo a quimioterapia.

Essas medidas nem sempre eliminam totalmente o tumor, porem a doença pode permanecer sob controle por muitos anos, fazendo uso de mudanças sucessivas nas alternativas medicamentosas hoje disponíveis.

Cinco novos agentes surgiram nos últimos anos como a Abiraterona, a Enzalutamida, o Radium -223, os anticorpos PSMA ligados ao lutécio 1177 e os chamados inibidores de PD1 e PDL1 foram recentemente testados em pacientes

pacientes com formas agressivas e resistentes ao tratamento mostrando intensa atividade antitumoral, com regressão da doença em 50 a 70 % dos casos, incluindo alguns onde as esperanças se esvaiam.

Gostaria de dizer que médico e paciente, em decisão conjunta, devem fazer opção pela terapêutica mais eficiente, quando a sobrevida for o anseio mais relevante , e escolher o tratamento menos agressivo, quando a finalidade de vida for à principal preocupação do paciente.

O carcinoma da próstata, avaliado sob inúmeros aspectos, representa um problema significativo de Saúde Publica. É o tumor maligno mais freqüente nos homens com idade superior a 50 anos, excetuando-se os tumores cutâneos; sua incidência tende a crescer nas próximas décadas, com o aumento da expectativa de vida.

Atualmente vivem no Brasil cerca de 12 milhões de homens com mais de 50 anos e estima-se que 2 milhões deles serão atingidos pelo câncer de próstata. A esta estatística incômoda, contrapõe-se outra mais animadora, de cada 18 homens acometidos pelo mal, apenas 3 morrerão pela doença.

Duas condições aumentam os riscos de se contrair o câncer de próstata, especificamente a raça e a ocorrência de casos na família.

O câncer de próstata não produz sintomas nas fases iniciais, período em que a doença é altamente curável. Nesta etapa a existência do câncer só pode ser explorada através do exame de toque e das dosagens do PSA (Antígeno Prostático Específico) no sangue.

Quando o PSA e o toque apresentam alguma alteração temos que fazer biópsia da próstata. Pode falhar em 10 a 12% dos casos. Quando a biópsia for negativa e o PSA continua elevado podemos solicitar novos exames com a RESSONCIA MAGNÉTICA MULTIPARAMÉTRICA e atualmente PSMA PET CT, que permite a visualização de tumores mesmo nas áreas mais obscuras da próstata.

Se a biópsia da próstata for positiva, partimos para definir o estadiamento, ou seja, o grau de extensão da doença. Constitui fase obrigatória para planejamento terapêutico e a avaliação do prognóstico.

Com respeito ao estágio, o tumor é classificado como T1, T2, T3 e T4.

T1 e T2 quando está na intimidade da próstata. T3 e T4 quando se expande e atinge os tecidos vizinhos da próstata.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close